Vagas de estágio abertas no Ministério Público do Trabalho de Pernambuco



  

Estão abertas as inscrições para o processo seletivo de estagiários do Ministério Público do Trabalho (MPT) de Pernambuco. O certame contempla estudantes das áreas de Informática, Administração, Direito, Jornalismo e Secretariado.

Os candidatos aprovados serão convocados de acordo com a demanda das unidades de Recife, Caruaru e Petrolina. Os aprovados terão direito a bolsa-auxílio no valor de R$ 800,00, acrescidos do auxílio transporte no valor de R$7 por dia de estágio, pelo cumprimento de jornadas de 20 horas semanais. Nas cidades de Petrolina e Caruaru somente poderão participar do processo seletivo os estudantes do curso de Direito.

As pré-inscrições vão até o dia 6 de junho e podem ser feitas no site dedicado ao processo seletivo (www.prt6.mpt.gov.br) no link de concursos. Conforme a Seção de Gestão de Pessoas do MPT, o concurso tem a finalidade de formar cadastro de reserva, contudo a expectativa do MPT é de convocar rapidamente os aprovados. Isso ocorre devido ao prazo de realização do último concurso já estar vencido desde maio deste ano.

É exigido do estudante que esteja matriculado e frequente, além de ter cursado pelo menos 40% da carga horária ou créditos do curso, em instituição conveniada ao MPT,  sendo necessária a comprovação. Vale ressaltar que não será cobrada taxa de participação dos candidatos interessados nas vagas de estágio.




As inscrições precisam ser validadas entre os dias 3 e 11 de junho no prédio do MPT situado na Rua da Angustura, Aflitos, para quem mora no Recife. Os candidatos que moram em Caruaru, devem comparecer à Rua Rádio Clube de Pernambuco, Maurício de Nassau. Os de Petrolina devem se dirigir a Avenida Gilberto Freire, Vila Mocó.

Os candidatos serão submetidos à prova de conhecimentos prevista para realização no dia 15 de junho em locais e horários a serem informados no site das inscrições em tempo hábil a aplicação das provas. O resultado final está previsto para divulgação até o dia 8 de julho. 

Por Robson Quirino de Moraes