Vagas de estágio na Comissária Pibernat

  

  

A Comissária Pibernat, empresa que atua com a prestação de serviços de comércio exterior estando posicionada entre as 10 maiores empresas do setor no país, está com vagas de estágio abertas para estudantes cursando graduação ou curso de nível técnico em Administração de Empresas, Comércio Exterior, Logística ou cursos afins.

As oportunidades são para trabalhar no Centro do Rio de Janeiro (RJ).  


O estagiário será responsável pela atuação direta nas liberações aduaneiras de importação e exportação, oferecendo apoio à equipe de trabalho nos assuntos relacionados aos órgãos intervenientes, como a Receita Federal, Anvisa, portos e aeroportos da cidade, entre outros.  

Para participar do processo seletivo na Comissária Pibernat, é necessário que os estagiários preencham alguns pré-requisitos. Entre eles estão possuir experiência mínima de um ano em qualquer outra atividade remunerada e possuir carteira de habilitação (a categoria requerida não foi especificada).  A empresa busca estagiários engajados, comprometidos com a missão, visão e valores. Não foi informado se há preferência por homens ou mulheres para a vaga, tampouco se é necessário residir próximo ao local de trabalho.  

A remuneração oferecida pela empresa é uma bolsa auxílio no valor de R$ 700. Adicionalmente ao salário, a Comissária Pibernat também oferece como benefícios vale-transporte e vale-refeição, sendo este último em valor mensal de R$ 374. Se aprovado no processo seletivo, o estagiário poderá optar por se apresentar ao trabalho às 9h, 11h30, 12h30 ou 16h, devendo cumprir uma jornada de trabalho de 6 horas por dia ou 30 horas semanais.  

  

Os interessados nas vagas ofertadas devem enviar o currículo atualizado no corpo do e-mail para o endereço eletrônico recrutamento@pibernat.com.br.  

A Comissária Pibernat possui 16 unidades no país, essencialmente na região Centro-Sul. Recentemente, a empresa completou 26 anos de atuação, estando certificada ISO 9001:2008.  

A Pibernat afirma participar da liberação de cerca de 1,5% do total de despachos do mercado aduaneiro brasileiro.

Por Julio Abreu